21 de jan de 2008

“Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” I Pedro 3:15

Todo crente em Jesus Cristo deve estar preparado para defender a sua fé diante dos homens. O Apóstolo Paulo, próximo de sua morte, afirmou: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé...” II Tm 4:7. Quantos apostatam da fé, recuam de suas convicções, se acovardam diante do crescimento do liberalismo... Hoje, mais do que nunca precisamos saber no que cremos.
Nossa Igreja tem alguns distintivos preciosos... fé e princípios que jamais "venderemos" por nada deste mundo. Desejamos que a Igreja Batista Bíblica de Embu-Guaçu seja conhecida nesta cidade por sua fidelidade doutrinária aos princípios estabelecidos pelo Mestre.
  1. Cremos que a coleção de 66 livros conhecida como Bíblia Sagrada é a perfeita e sublime expressão da Palavra de Deus. Embora tenha sido escrita por homens (cerca de quarenta) ela é isenta de erros em seu conteúdo, pois miraculosa e sobrenaturalmente estes homens escreveram inspirados por Deus. “...Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo...” (II Pe 1:21). Ela é Palavra de Deus de Gênesis a Apocalipse; não somente contém a Palavra de Deus, mas novamente repito: é a Palavra de Deus isenta de erros ou equívocos e única regra de fé e prática e autoridade suprema para a Igreja, sendo suficiente para encaminhar o homem em direção a Deus. “...Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra...” (II Tm 3:16 e 17). O verdadeiro cristão deve ter prazer em examiná-la e praticá-la, pois desta forma se afastará do pecado. “Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra Ti...” (Salmo 119:11) Creio que a Bíblia é, e permanecerá sendo até o fim dos séculos a única revelação completa e final de Deus ao homem, portanto, o padrão supremo pelo qual toda a conduta humana, credos e opiniões devem ser aferidos. Não posso conformar a Palavra de Deus às minhas experiências, mas conformar as minhas experiências à Palavra de Deus. “...Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo...” (I Jo 4:1).
  2. Creio que há um só Deus Vivo e Verdadeiro, Criador, Governador e Sustentador de todas as coisas; Não tenho a pretensão de conseguir definir Deus, pois tudo que sabemos Dele é o que Ele nos revelou pela criação “...Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis...” (Rm 1:19, 20) e pela Palavra “...E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós...” (Ex 3:14) “...Assim diz o SENHOR, Rei de Israel, e seu Redentor, o SENHOR dos Exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus...” (Is 44:6). Por mais que tentemos defini-lo, ficaremos sempre aquém do que Ele realmente é. Em Sua Palavra Ele se fez conhecer por seus atributos (qualidades). Ele é Espírito infinito e inteligente “...Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade...” (Jo 4:24); Deus é Santo (I Jo 1:5), Eterno (Sl 90:2), Justo (At 17:31) e Imutável (Tg 1:17). Onipotente (Ap 19:6), Onipresente (Sl 139:7 a 12) e Onisciente “...Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim. Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade...” (Is 46:9, 10). Longânimo (II Pe 3:9 e 15), Amoroso (I Jo 4:8) e Misericordioso (Lm 3:22) . Em sua essência divina, o único Deus, manifesta-se em três pessoas igualmente eternas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Cada um deles exerce um ofício distinto, mas coexistem em perfeita harmonia sendo indivisíveis eternamente, ou seja, Deus não é Deus sem o Espírito Santo que não existiria sem Jesus Cristo que não sobreviveria sem Deus e vice-versa. Seus atributos, de igual maneira são eternos e imutáveis e os três têm papel decisivo na redenção do ser humano. “...Mas quando apareceu a benignidade e amor de Deus, nosso Salvador, para com os homens, não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, que abundantemente ele derramou sobre nós por Jesus Cristo nosso Salvador...” (Tt 3:4 a 6)
  3. Dessa forma, creio tanto na deidade de Nosso Senhor Jesus Cristo como também em sua humanidade. Ele é 100% Deus e 100% homem por isso é chamado tanto de o Filho de Deus como de o Filho do Homem. Jesus Cristo foi concebido pelo Espírito Santo, nasceu da virgem Maria e viveu uma vida sem pecado “...Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado...” (Hb 4:15), autenticou seu ministério e divindade através de seus milagres “...Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome...” (Jo 20:30, 31) e morreu uma morte expiatória na cruz do calvário, ressuscitando ao terceiro dia segundo as Escrituras. “...Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras...” (I Co 15:3, 4). Cristo foi exaltado e glorificado “...Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome...” (Fp 2:9) e atualmente exerce sua obra mediadora no céu. “...Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem...” (I Tm 2:5)
  4. Creio na personalidade e divindade do Espírito Santo. Ele não é unicamente uma “força ativa”, mas é aquele que convence o mundo do pecado, da justiça, do juízo “...E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo...” (Jo 16:8) Ele também santifica, conforta, regenera e sela aqueles que crêem em Jesus Cristo, “...Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa...” (Ef 1:13) Ele capacita os crentes a usarem os dons espirituais para realização da obra do Senhor. “...Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil... Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer...” (I Co 12:7 e 11)
  5. Creio no relato literal e não alegórico da criação no livro de Gênesis. Tudo foi criado por Deus e sem Ele, nada do que foi feito se fez. Lá estava presente a Trindade: “..No princípio criou Deus (Pai) os céus e a terra.E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus (Espírito Santo) se movia sobre a face das águas. E disse Deus (Jesus Cristo: o Logos, a Palavra, o Verbo de João 1:1): Haja luz; e houve luz...” (Gn 1:1 a 3)
  6. Creio que o homem foi criado a imagem e semelhança de Deus “...E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança...” (Gn 1:26) - entenda-se semelhança e não igualdade - não somos “deuses”, mas somos a única criação “espiritual” de Deus e que pode ter comunhão com Ele. “...O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus...” (Rm 8:16). O homem foi criado em inocência, moralmente perfeito, mas voluntariamente pecou. Este ato voluntário do homem resultou na “queda” de toda a humanidade. Todo ser humano que vem ao mundo encontra-se em estado de perdição: “...Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram...” (Rm 5:12). O homem não se torna pecador quando peca, mas ele peca porque é pecador. Nenhum ser humano pode ter comunhão com Deus em seu estado natural, pois está separado Dele “...porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus...” (Rm 3:23)
  7. Creio que Deus providenciou um caminho de salvação para o homem que não está baseado em obras que o homem possa realizar “...Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam...” (Is 64:6) mas na gratuidade oferecida pela fé no sacrifício expiatório de Jesus Cristo na cruz do calvário “...Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie...” (Ef 2:8, 9). A salvação do homem está condicionada ao arrependimento e a fé no sacrifício de Jesus: “...E dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo. Arrependei-vos, e crede no evangelho...” (Mc 1:15) “...A saber. Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação...” (Rm 10:9, 10). O sacrifício vicário de Jesus Cristo no madeiro é suficiente para nos redimir e justificar diante de Deus, pois Ele tomou o nosso lugar; o justo pelos injustos: “...Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito...” (I Pe 3:18). Esta salvação gratuita oferecida por Cristo também é eficaz e eterna, não havendo nenhuma possibilidade de que um ser humano que tenha se arrependido e crido em Jesus Cristo venha “cair da graça” ou perder a salvação: “...Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida...” (Jo 5:24)
  8. Creio na existência de Satanás como acusador dos crentes e opositor da obra de Cristo. Foi criado como anjo de luz, mas devido seu orgulho rebelou-se contra Deus arrastando hostes de anjos que desta feita transformaram-se em demônios que servem a Satanás buscando destruir a obra redentora de Deus “...Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais...” (Ef 6:11, 12) É chamado de “príncipe deste mundo” apresentando-se como o grande tentador do homem e inimigo de Deus e de Cristo, no entanto, sua derrota é certa estando reservado para ele o lago de fogo e enxofre “...E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre...” (Ap 20:10).
  9. Creio na Igreja de Cristo, fundada por Ele mesmo “...sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela...” (Mt 16:18) e edificada sobre o fundamento dos apóstolos tendo Cristo como sua pedra principal “...Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo...” (I Co 3:11) “...Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina...” (Ef 2:20). A Igreja é composta por crentes regenerados exercendo seus dons em prol da missão da Igreja que é adorar a Deus, evangelizar os perdidos e edificar os santos “...Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém...” (Mt 28:19, 20) As únicas ordenanças deixadas por Jesus Cristo para a Sua Igreja são o batismo por imersão em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo para todo aquele que crê “...Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo...” (Mt 28:19) e a Ceia como memorial de seu sacrifício vicário na cruz do calvário onde os dois elementos o pão e o “vinho” continuam sendo pão e “vinho” não havendo nem consubstanciação e nem tampouco transubstanciação “...E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim...” (I Co 11:24 e 25). Os únicos líderes reconhecidos por Cristo são os pastores, também chamados de presbíteros, anciãos ou bispos e os diáconos “...Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar... Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, e governem bem a seus filhos e suas próprias casas..” (I Tm 3:2 e 12) A Igreja jamais deve envolver-se com o governo temporal ou depender de qualquer instituição humana mas ela se auto-sustenta através da graça do “dar” de seus membros (dízimos e ofertas alçadas)
  10. Creio na volta iminente do Senhor Jesus Cristo para ressuscitar os que morreram Nele e arrebatar os salvos “...Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor...” (I Ts 4:16, 17) tudo isso será num abrir e fechar de olhos “...Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados...” (I Co 15:52) Aqueles que rejeitaram seu plano redentor adentrarão a um período de tribulação na terra onde Deus derramará a sua ira sobre todos que rejeitaram sua salvação “...E ouvi, vinda do templo, uma grande voz, que dizia aos sete anjos: Ide, e derramai sobre a terra as sete taças da ira de Deus...” (Ap 16:1); enquanto isso, os salvos gozarão no céu das Bodas do Cordeiro (o casamento da noiva – a Igreja – com o noivo – Jesus Cristo) “...disse-me: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus...” (Ap 19:9) e passarão pelo Tribunal de Cristo onde cada um dos crentes serão julgados conforme as obras que realizaram na terra, não para condenação, mas para recebimento de seus galardões “...porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal...” (II Co 5:10) Após o período de sete anos de tribulação na terra, Cristo regressará triunfante a esta terra juntamente com os salvos e todo olho o verá “...Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem...” (Mt 24:27) Aqueles que perseveraram durante a tribulação e não receberam o sinal da besta adentrarão ao Reino Milenar juntamente com os mártires ressuscitados deste período onde Cristo será o governante deste mundo juntamente com os salvos de todas as épocas “...Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são, e de onde vieram? E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro. Por isso estão diante do trono de Deus, e o servem de dia e de noite no seu templo; e aquele que está assentado sobre o trono os cobrirá com a sua sombra...” (Ap 7:13 a 15) A característica deste período é de paz, pois Satanás permanecerá amarrado por todo o tempo “...Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos...” (Ap 20:2). Ao fim dos mil anos, Cristo permite que Satanás novamente solto possa sair a enganar as nações e desta forma muitos se rebelarão contra o Reino do Messias “...E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão, e sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra...” (Ap 20:7 e 8) e Cristo enfim dará um basta a ação de Satanás lançando-o no lago de Fogo e enxofre “...E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre...” (Ap 20:10). Todos os mortos que rejeitaram ao plano de Deus em todas as épocas serão ressuscitados e se apresentarão ante o Grande Trono Branco quando serão condenados por haverem rejeitado ao plano de Deus sendo lançados no lago de fogo e enxofre onde já está o Diabo e serão atormentados para todo o sempre “...E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus... e deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras... e aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo...” (Ap 20:12 a 15). Eis então que teremos novos céus e nova terra e viveremos para todo o sempre com Cristo “...Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas...” (Ap 21:3 e 4)

    Esta é uma síntese de minha declaração de Fé. Creio piamente em tudo que aqui escrevi e comprometo-me a defender e apresentar estes pontos a todo aquele que pedir a razão de esperança que há em mim

Joel Barbosa